Vaginite Atrófica

Vaginite AtróficaVocê já ouviu falar em Vaginite Atrófica? Sabe o porquê isso ocorre e como ocorre? Sabe de alguma maneira de prevenção? Então sugiro a você que leia essa matéria com muita atenção, pois esse é um assunto muito sério e que vem ocorrendo com muita frequência entre as mulheres.

A vaginite atrófica também conhecida popularmente como atrofia urogenital é uma alteração que afeta a mucosa da vagina encolhendo seus tecidos e reduzindo a lubrificação de suas paredes. Afeta também o aparelho urogenital no período de menopausa, devido à diminuição da produção de estrógeno (hormônio sexual responsável por preparar o útero na mulher para receber o óvulo fecundado) além de afetar também mulheres que fizeram cirurgia para retirar os ovários, já que o estrógeno é produzido por uma estrutura encontrada nos ovários (os folículos ovarianos).

Os sintomas da vaginite atrófica mais conhecidos são a secura na vagina, coceira, odor forte, fortes dores nos lábio vulvares durante as relações sexuais, etc. Já no aparelho urogenital temos como sintomas: dor ao urinar, infecção urinária, incontinência e urgência urinária.

Outras mulheres que podem apresentar vaginite atrófica são aquelas pacientes oncológicas, devido à submissão a quimioterapia e radioterapia, mulheres em períodos de lactação e uso de medicações antiestrogênicas e tabagistas.

O diagnostico da vaginite atrófica é feito por um especialista e quando seguido corretamente a coordenação deste, não haverá risco dessa doença se alastrar e se tornar algo pior.

O tratamento da vaginite atrófica proposto por médicos são medicamentos a base de hormônios tomados por via oral. Outra forma de tratamento dependerá do que for solicitado por seu médico e também pelo grau de gravidade do problema. Não se esqueça mesmo esse problema não aparentando ser grave, o melhor a fazer é procurar auxilio médico para que logo você volte a viver normalmente sem problemas vaginais e demais preocupações.

Você sabe o que é Vaginite?

Chamamos de Vaginite uma inflamação que se dá no revestimento da vagina. Outro problema que a mulher também pode apresentar mesmo sem saber o que é se chama vulvite, que é a inflamação da vulva. Quando as duas inflamações se dão juntas dizemos então que a mulher esta apresentando um quadro de vulvovaginite, uma inflamação da vulva e da vagina.

Em ambas essas doenças a paciente apresenta além da inflamação nos tecidos, a produção de secreção vaginal. E suas causas vão desde infecções até irritação no tecido de revestimento, alteração hormonal, medicamentos ou até mesmo má higiene do local.

O primeiro sintoma que aparece na mulher que apresenta vaginite é uma secreção vaginal considerada anormal. Ela apresenta uma coloração que varia de amarelada, esbranquiçada ou ainda esverdeada. Aparece em grande quantidade com odor e pode ser que apareça algum prurido ou sangramento. As dores na região da pelve e também na vagina são bem comuns no início da vaginite.

Quando a vaginite é causada devido à penetração de alguma bactéria indesejada na flora da vagina, tende a produzir uma secreção opaca, branca, cinza ou amarelada, e com o odor parecido com o de peixe.

Alguns produtos químicos como sabonetes ou cremes íntimos reduzem a acidez da flora bacteriana existente na vagina. Essa flora vive nesse local e impede a entrada de outras bactérias que causam problemas mais graves nesta região. Quando essa flora é reduzida dizemos que ocorre uma acidez que pode também levar a uma vaginite. Após a relação sexual, devido o atrito do pênis com a vagina, ocorre um desgaste da mucosa vaginal que também leva a uma vaginite.

Existe um fungo, que recebe o nome de Cândida ou Cândia, causa prurido e queimação que podem ser fortes ou moderados na região da vagina e também da vulva. Com uma secreção espessa e pastosa saindo das paredes vaginais. Os sintomas podem gerar incômodo nas duas semanas que antecedem sua menstruação.

Outra infecção vaginal é causada por um protozoário Trichomonas vaginalis acarretando uma secreção branca ou até mesmo esverdeada com aparência espumosa. Pode também apresentar odor forte e vem logo após seu ciclo menstrual acabar.

Essa infecção quando não tratada corretamente pode gerar câncer na vagina, colo do útero ou até mesmo no mesométrio, o revestimento do útero.

Agora que conhecemos algumas causas da vaginite, vamos entender como é feito o diagnóstico da doença e ver as formas de tratamento. Vale lembrar que o melhor tratamento para essa ou qualquer outra doença é aquele que o médico indicar. Por isso o que diremos aqui são algumas formas que a vaginite pode ser tratada, conforme um especialista solicitar. Então vamos aprender:

O diagnóstico da vaginite é feito através de análise da secreção que a paciente apresenta. Também é feito um exame clínico onde a paciente conta seus sintomas e desde quando isso começou a acontecer.

O médico também poderá fazer perguntas envolvendo sua relação sexual com seu parceiro, ou ainda perguntas que envolvem até mesmo sua natalidade ou sua juventude.

Para finalizar vamos falar então do tratamento de vaginite. No início algumas lavagens com água morna podem diminuir a quantidade de secreção que você apresenta.

Mas não podemos esquecer que uma inflamação deve ser tratada com cuidado e seguindo orientações médicas para que o caso clínico não piore, é importante também conhecer a causa que levou você ter a vaginite.

O tratamento consiste na administração de antibiótico, antifúngico e antiviral, de acordo com o que causou o problema.

Você pode lavar a região com água morna e algumas gotas de vinagre, até que a vaginite seja totalmente curada com os medicamentos.

Uma dica, caso a doença tiver sido gerada devido a alguma relação sexual, deve-se tratar não só a paciente, mas também o seu parceiro. Evitando que ela possa reaparecer.

Agora que já conhece o que é vaginite, o que pode causá-la e quais as formas de tratamento, se você suspeitar que tenha algo procure auxílio médico. Vaginite pode parecer até algo inofensivo, mas caso você não busque ajuda as coisas podem piorar. Tome cuidado, seu órgão sexual é algo frágil e merece cuidado.

Inflamações Vaginais
Matérias Relacionadas
Saúde da Mulher Precauções para Evitar Infecções Vaginais

Os órgãos genitais femininos são muito sensíveis e suscetíveis de contrair alguma infecção. Existem diversos tipos de infecções vaginais e

Maternidade Os Sintomas de Trabalho de Parto Prematuro

O parto prematuro é aquele parto antes do tempo, que ocorre antes de 37 semanas de gravidez; às vezes o

Saúde da Mulher Infecção por Micoplasma, DST Altamente Contagiosa

Existem diferentes agentes de transmissão sexual que causam infecções graves que levam a outras condições prejudiciais para a saúde. Conheça

Intimidade Feminina Quando Preciso Procurar um Ginecologista?

Procurar um ginecologistas em várias ocasiões envolve receio por parte de muitas mulheres, mas é preciso entender a importância de

Saúde da Mulher Tricomoníase, Uma Doença Sexualmente Transmissível Pouco Conhecida

Existem muitos tipos de DSTs e todas nós conhecemos algumas formas de nos proteger contra estes. Mas hoje vamos falar

Comentário Anônimo(opcional)

Comentário com seu Facebook
Existe 1 Comentário para Dica "Vaginite Atrófica"
Ana Fernando Seabra

Olá eu gostei muito das dicas q deram é muito importante q nós mulheres tenhamos um espaço só nosso. beijos e continuem ajudando as mulheres a se tornarem mas belas.