Relação entre Obesidade e Depressão

Relação entre Obesidade e DepressãoO retrato de um “gordinho feliz” está a um passo de ser um mito urbano. Isso ocorre porque diferentes estudos científicos têm demonstrado uma relação direta entre a obesidade e a depressão. Uma questão que se tornou importante no Chile, onde cerca de 60% da população adulta é obesa ou com sobrepeso, e 10% têm depressão.

Como se trata de duas doenças com alta incidência não apenas nesse país, mas também a nível mundial, o Dr. Robert Amon, psiquiatra e diretor do Centro de Saúde Mental Golden Cross, disse que a questão é: são duas doenças que afetam um indivíduo por acaso ou é uma relação mais complexa entre ambas?

Para explicar esse fenômeno, Dr. Amon, argumenta que existem fatores que podem causar a relação: “Uma delas é porque a obesidade gera rejeição social, discriminação e estereótipos negativos, portanto, tem consequências negativas em termos de auto-imagem. Além disso, as pessoas obesas fazem repetidamente dietas, que na maioria das vezes não dão continuidade, então a pessoa começa com uma ideia de fracasso.”

O psiquiatra disse que as pessoas obesas que procuram a cirurgia bariátrica têm altos índices de depressão. Além disso, a compulsão alimentar, segundo um estudo, afeta até 70% das pessoas com obesidade mórbida. Além disso, o Dr. Amon assegura que, no momento em que a depressão é controlada, o peso também é controlado e as pessoas conseguem perder peso, melhorando os parâmetros da depressão.

Além disso, o Dr. Robert Amon, explica que na relação obesidade e depressão, também influenciam as mudanças no estilo de vida que as pessoas vêm experimentando. “Primeiro, a mudança mundial na dieta. Os alimentos hoje são hipercalóricos, ricos em gorduras e açúcares. Estamos cheios de fast food, as pessoas enchem as praças de alimentação. Por outro lado, o sedentarismo ganhou terreno e diminuiu consideravelmente a atividade física. As pessoas já não fazem exercício e isso associado ao tipo de alimentação também pode ter um grande impacto sobre a saúde”.

O psiquiatra do Centro Golden Cross assegura que as consequências nas mudanças de vida são refletidas em que as “principais causas atuais de morte são as doenças cardiovasculares e o câncer, que ocupam cerca de 60%. Nós estudamos a relação entre o câncer de fígado, próstata, mama e endócrino com sobrepeso”, diz o especialista.

Além disso, Robert Amon observa que está comprovado que os pacientes obesos são duas a três vezes mais propensos a entrar numa depressão do que uma pessoa de peso normal.

Em 2005, a Organização Mundial da Saúde, OMS, afirmou que, a nível mundial, havia 1.600 pessoas com mais de 15 anos com obesidade e sobrepeso. E pelo menos 400 milhões de pessoas sofriam de obesidade. No mesmo ano, o número de crianças menores de 5 anos que sofria de obesidade alcançou 20 milhões no mundo inteiro.
De acordo com a mesma entidade, estima-se que em 2015, existiram cerca de 2,3 bilhões de pessoas com sobrepeso e 700 milhões com obesidade.

Estima-se que no Brasil dois terços dos brasileiros (de todas as idades) estão com sobrepeso ou tem obesidade. Se a população brasileira é em média 196 milhões, então um pouco mais de 130 milhões de pessoas estão nessa situação. E este número de pessoas tende a subir. Esses dados são recentes.

De acordo com um estudo norte americano intitulado “A disseminação da obesidade em uma rede social amplia em 32 anos”, publicado no New England Journal of Medicine em julho de 2007, verificou-se que as pessoas que estão acima do peso e obesas tendem a participar de redes sociais e formar grupos entre eles. O mesmo ocorre com as pessoas magras que também se agrupam.

Constatou-se também que as possibilidades de que uma pessoa tenha obesidade aumentam em 57%, se você tiver um amigo com excesso de peso, em 40% se um familiar direto sofre de obesidade e em 37% se as pessoas que sofrem desta enfermidade é o casal. Também se evidenciou que o risco é maior se a pessoa com obesidade ou excesso de peso é do mesmo gênero. Um aspecto notável deste modelo de transmissão social não se dá, por exemplo, da mesma maneira no tabagismo.

E diante de tudo isso, podemos ver que: hoje em dia tudo é a base do controle remoto ou apertar um botão, temos água em nossa torneira, não precisamos plantar para comer, não vamos a lugar nenhum se não for de carro ou outro meio de transporte. Então a tendência será pessoas obesas, já que o sedentarismo impera em quase todos os lares mundiais. Temos que mudar nossa mente e também nossas atitudes para vivermos uma vida saudável.

Obesidade x Depressão
Matérias Relacionadas
Maternidade Obesidade Durante a Gravidez

É normal que ao longo da gravidez a mulher ganhe alguns quilos, já que parte dele é do bebê que

Saúde da Mulher Três Hábitos para Viver Mais

A nossa saúde merece muita atenção e muitos cuidados, já que atualmente as opções de alimentação e os hábitos que

Maternidade A Amamentação Reduz o Risco de Obesidade na Mãe

Todas já sabemos sobre os benefícios da amamentação para os bebês, mas existem benefícios para as mães também. Um deles,

Saúde da Mulher Como Identificar a Depressão Sazonal

Você já ouviu falar da depressão sazonal? isso mesmo, é um tipo de pressão semelhante a qualquer outro, mas que

Saúde da Mulher A Depressão nas Mulheres

A depressão costuma afetar mais mulheres do que homens e é importante identificar os sintomas para buscar o tratamento adequado,

Comentário Anônimo(opcional)

Comentário com seu Facebook
Existe 1 Comentário para Dica "Relação entre Obesidade e Depressão"
Andreia Soares

Doces eram meu ponto fraco. no ensino médio cheguei a 63 quilos, o que a levou a um processo de depressão, pois não me sentia bem no espelho e as roupas não me caíam bem. chegava apenas a me alimentar.